isso é baía formosa

eu depois do velejo

  • "viver a poesia é muito mais necessário e importante do que escrevê-la" murilo mendes

sábado, 18 de dezembro de 2010

verão a chuva

a chuva vem umedecendo a janela há uns dias.
tem aquele silêncio morno que invade o quarto,
tem aquele cobertor com cheiro bom de guardado.
tem o lençol que eu troquei ontem,
aquele outro eu já deixei na lavanderia.
tem um acordar cedo,
levantar preguiçosamente junto com o sol.
ver o mar. o mar. o amar.
tem o cheiro de café com leite,
tem música com gosto de tapioca
e o dia inteiro.
tem um trabalhar que cansa e que é bom.
tem uma rotina, um ser ou não ser que não é de fato.
tem um adormecer tarde,
junto com a lua que varou a noite no azul.
tem você no teu olho e no meu brinco.
tem tudo aqui, amor.
ciclicamente.



"acorda amor" chico buarque no ouvido

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

as quatro estações

ela sabe que quando vem o outono,
cai em folhas.
no inverno, como geada,
ela esfria qualquer lembrança ruim.
congela a saudade e faz nevar no peito de amada
cristais de alguma coisa-que se não é- é muito próximo de amor.
e, com a primavera vem ela e seu perfume, para juntas então, florirmos.
no verão, traz o suor e alguma cerveja, para guardar na geladeira.
ela é a companhia.
de resto, não se sabe nada.



escutando antonio lucio vivaldi

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

alegria da alegoria

estamos presos na caverna de nós,
fazemos altares e somos pagãos.
nos transvestimos... alegóricos!
múltiplos e ao mesmo tempo multilados.
mutilados! somos livres apenas na ideia.
e, no momento em que conto a ideia que tive, me prendo.
correntes, sombras e luz. luz!
quando pulsamos, somos.
o mel.



amy w. "back to black" no volume máximo hoje

domingo, 5 de setembro de 2010

flor de primavera

a primavera me deixa feliz e aventurada.
desocupada. ociosa. manhosa. ousada.
a fazer o som dos sonhos.
sensual por baixo dos teus lábios meus.

domingo, 29 de agosto de 2010

assim falou o silêncio


a casa acordou suavemente.
sem a música do despertador,
não ouvi vozes nem passos.
espiei o silêncio.
sentei-me calmente na varanda
escutando os passarinhos,
vendo a rapidez dos movimentos dos saguins,
sentindo a brisa do mar e
degustando uns cereais com crocantes de avelã e mel,
percorri as imagens de ontem.
café com leite! senti paz...
levantei-me, olhei o espelho e pensei
"esta sou eu; esta hoje sou mesmo eu"



dusty springfield "the look of love" - play please!




quarta-feira, 11 de agosto de 2010

espelho retrovisor




pelo retrovisor enxerga-se
tudo ao contrário.
letras, lados, lestes...
o relógio pulsa de uma mão pra outra
e tudo muda, o tempo inclusive.
a placa do carro se inverte
quando se ultrapassa.
retrovisor é o que se passa...
é, de vez em quando, ao lado
nunca é na frente. é o que deslocou
e muitas vezes ninguém viu.
retrovisor nos mostra o que ficou,
o que partiu. o que agora
só está no pensamento.
mostra as ruas que se
escolhe, calçadas e avenidas
lembranças bem resolvidas...
retrovisor deixa explícito
que se vai pra frente e se
deixa para trás coisas que
nem se sabe mais.




escutando "meu coração" do arnaldo antunes

segunda-feira, 31 de maio de 2010

passado no passado

parece que está tudo bem.
as fotos mudaram, o status mudou, as mensagens postadas.
se tá bom, então tá bom...
os sonhos voltaram a ocupar os dias
e enquanto isso, parece que está tudo bem.
o sorriso não mudou
nem o número do telefone
só, talvez, a curiosidade de saber
se a vida tem sido justa (?)
se tá bom, então tá bom...
parece que está tudo bem.


franz ferdinand no ipod

quando

quando se sabe ler as entrelinhas,
coisas podem ser evitadas.
protegidas... domadas...
se se sabe ler,
carências não são brotadas.
mas o tempo é quando!


música "acorda amor" chico buarque

sábado, 29 de maio de 2010

aurora

eu acordo assim...
radiante... feliz... amada...
eu acordo assim.
sorridente... sentindo o cheiro teu.
eu acordo assim...
aguardando o novo do hoje.
café com leite... música!
de salivar a boca...
esperança é meu solo em tênis de all star.


escutando franz ferdinand

domingo, 7 de março de 2010

outono

o outono me deixa
mansa como uma folha
à espera de um leve sopro
aguardo lufadas mínimas
que me guiem para nosso lar
em qualquer lugar
longe ou perto
mas sempre onde você
está



música: "when de sun goes down" da cassandra wilson