isso é baía formosa

eu depois do velejo

  • "viver a poesia é muito mais necessário e importante do que escrevê-la" murilo mendes

quinta-feira, 29 de maio de 2008

sei não...


"Não sei, deixo rolar. Vou olhar os caminhos, o que tiver mais coração, eu sigo." Caio Fernando de Abreu






ponta cabeça


o que fazemos quando estamos com a vida de pernas pro ar?
vivemos um dia de cada vez...
acordamos de manhã e sentimos alegria por estarmos vivos...
olhamos no espelho e lembramos que existem mais umbigos que os nossos próprios...
e assim nossa vida volta a revirar!

rsrsrsrs...

ontem, numa conversa dessas que não nos levam a nada, quando falei a minha idade, virou tudo estupefação... pensaram que eu estava de brincadeira! é incrível, mas julgamos mesmo os outros pelas aparências. e tive que mostrar meu documento com a data do nascimento, acredite! hahaha!! me senti uma jovem e estou perto dos quatro ponto cinco... o meu ego não se queixa, mas a estupidez humana começa a ultrapassar a minha tolerância!

eu outra vez...


quanto mais penso, pior...
fico com a cabeça confusa!
se eu fosse sua musa
seria bem melhor
conseguia atacar
agia sem pensar
pedia um desejo
roubava um beijo

quinta-feira, 1 de maio de 2008

XII fenart - 2008/abril


Vi logo de cara, na programação, que haveria uma oficina de poesia ministrada pelo poeta Chacal, amigo do meu amigo, o poeta Tavinho Teixeira. e logo eu, que tinha visto o Chacal em Paraty, na Flip do ano passado. Ele e Lobão, um barato. A crítica não gostou, mas eu amei. Quem liga pra crítica, afinal? critica tudo... sou mais eu! hahahaha
Mas estou falando mesmo é sobre a oficina de poesia. Fazer ou não fazer, não havia questão, percebe? havia decisão! e corri pra fazer inscrição. Três manhãs deliciosas, enriquecedoras: domingo, segunda feriado e terça-feira. Na primeira manhã, nos conhecemos, falamos sobre poesia, sobre a palavra, lembramos Saussure, significado e significante, e escutamos... escutamos... escutamos... ah! é muito bom escutar Chacal, entende?
Na manhã seguinte, falamos mais sobre poesia. O que é poesia? Para que serve? várias definições, alguns autores citados, mas o poema não está nem aí para a poesia (ou é o contrário?!), poesia é encantamento, o poeta encanta-se com as nuvens, com o som da onda nas pedras, vê as coisas como se fosse a primeira vez, poesia são palavras mágicas, é a descoberta de algo que já se sabia, mas não se via, é o encontro com tudo aquilo que há em mim e é de mim diferente... como escrever? ah, palavras, palavras! oh, imagens verbais, onde estais?... é muito bom escutar um poeta, sabia?
Na tarde do segundo dia, fomos assistir à palestra "Memórias de Mimeógrafos: O Que Há de Atual na Poesia Marginal", cujo palestrante, para alegria dos "poetas oficineiros", era, lógico, o poeta Chacal. O Auditório Azul ("um mar de cabecinhas", segundo o mestre poeta) não lotou, mais espaço para as palavras, pensei. Mas nem desconfiava que iria ver, mais uma vez, a hipocrisia acadêmica exaltar seus velhos chavões sobre o certo e o errado, sobre o que é ou não poesia.
Mas o poeta "marginal" falou baixinho e fortemente, palavras suaves, musicais... quase um manifesto? não... mais que isso: uma festa, coisa de poeta, eles são assim mesmo, nada bestas, nada arrogantes, pura diversão. E o sexodrogarock'nrollversusfamíliatradiçãoreligião... again?! ah não!!! é muito bom escutar Chacal, percebe?
Na manhã última, que pena! fomos ver um pouco a apresentação dos Voluntários da Pátria no Teatro de Arena. Música, poesia, teatro e reflexão. tudo junto. O máximo. Voltamos às nossas próprias reflexões com o mestre poeta Chacal. Ainda mais poesia, algumas decisões sobre o sarau de logo mais a noite e... é muito bom escutar o poeta, entende? sabia? percebe?